Capacitação  |  Educar  |  Empreendedorismo

Como Precificar seus Produtos de Varejo

Como precificar seus produtos para venda no varejo é uma dúvida muito comum para o pequeno empreendedor. Afinal, tanto cobrar de mais quanto de menos pode gerar consequências negativas para seu negócio. 

Se o produto é vendido muito barato, a margem de lucro sofre. Assim, pode ser que você tenha dificuldades para obter o rendimento que precisa. Agora, quando o preço está alto demais, você verá queda na demanda. Isso pode causar tantos problemas para a saúde financeira da empresa quanto um corte na margem de lucro. 

Encontrar o equilíbrio na hora de pensar como precificar seus produtos é fundamental. Nesse artigo, você vai aprender tudo que precisa para não cometer erros e potencializar seus lucros.

Hoje, vamos falar sobre: 

Como precificar produtos no varejo? 

  • O que considerar antes de precificar os produtos
  • Diferença entre preço e valor
  • Passo a passo de como precificar
  • Lucre mais com a Acqio

Boa leitura!

O que considerar antes de precificar os produtos

O que precisa ser levado em conta na hora de precificar produtos?

Quando o assunto é como precificar, é preciso contar com diversos dados e valores antes de começar a conta. Isso porque a venda de todo produto não gera apenas lucro para sua empresa: também há um gasto associado. 

Isso é, para vender um produto, primeiro você precisa dele no estoque. Esse já é um custo. Além disso, precisa de dinheiro para manter as portas da sua loja abertas e sua equipe empregada. Tudo isso irá influenciar no preço final do produto, já que os custos precisam ser repassados para o cliente. 

Veja uma lista dos dados que você precisa ter em mãos para fazer o cálculo: 

  • Custos: esses são os gastos referentes a estoque. Isso é, quanto custa comprar o produto do seu fornecedor (incluindo fretes, se eles forem pagos por você).
  • Despesas: aqui entram os gastos relacionados à estrutura comercial e administrativa da sua empresa. Por exemplo, contas de água, energia, segurança, limpeza, aluguel e salários dos colaboradores.
  • Tributações e taxas: não se esqueça de levar em conta os seus impostos e outras taxas que você precisa pagar para se manter em atividade.

Atenção: não se esqueça de contabilizar gastos variáveis, como fretes, comissões e outros. 

Diferença entre preço e valor

Esses dois termos são frequentemente usados como sinônimos, mas atenção: quando o assunto é como precificar produtos, eles têm significados muito diferentes. 

Preço é o valor monetário definido para determinado produto. Isso é, quanto ele custa. Enquanto isso, o valor só existe quando o produto oferece algum benefício para o cliente. 

Assim, o valor não é inerente ao produto. Trata-se de uma característica atribuída a ele pelo consumidor. É por isso que pessoas pagam preços tão diferentes por produtos que, em essência, são semelhantes.

Quando o cliente percebe valor no produto, é mais fácil que se convença que a compra é uma boa decisão – independentemente do preço. É o famoso: foi caro, mas valeu à pena. 

É importantíssimo ter a diferença entre preço e valor em mente na hora de precificar.

Passo a passo de como precificar

Agora você já sabe o básico sobre os fatores que definem o preço de um produto: os custos, despesas e tributações, além da relação preço/valor. 

Agora, é hora de aprender, na prática, como precificar e fazer esse cálculo, acrescentando sua margem de lucro. Vamos lá: 

1. Custos variáveis

Antes de começar, você deve conhecer bem seus custos e despesas, incluindo as variáveis. Isso é, aqueles que se alteram de acordo com o volume de vendas da empresa. 

Sua principal meta ao entender como precificar deve ser certificar-se de que os custos operacionais sejam cobertos. 

Para entender esse valor, é interessante fazer uma média de quantos produtos você vende por mês, e qual o custo médio gerado. Agora, divida o custo pelo número de produtos para encontrar uma estimativa de custo por item. 

2. Regime tributário da sua empresa

Essa também é uma despesa, mas é importante dedicar um pouco mais de atenção na categoria dos impostos. Isso porque existem diferentes regimes tributários no Brasil, e você deve entender em qual deles sua empresa se enquadra. São eles: 

  1. Simples Nacional; 
  2. Lucro Presumido; 
  3. Lucro real. 

Cada uma das categorias conta com alíquotas e formas de cobrança diferentes. Por isso, se tiver dúvidas, converse com seu contador.

3. Margem de lucro

É aqui que o maior cuidado deve ser tomado. Uma taxa muito grande diminui a competitividade dos seus produtos e afasta clientes. No entanto, uma muito baixa pode gerar perdas para a empresa. 

Por isso, é fundamental que você faça uma análise de mercado, determinando os preços praticados pela concorrência. Além disso, também é um bom momento para fazer pesquisas a fim de identificar o valor do seu produto para o cliente. 

O ideal é ajustar a margem em cada produto. Em mercados competitivos, é indicado reduzir a margem para ganhar em quantidade de vendas. Agora, se o seu produto é exclusivo ou diferenciado, a margem poderá ser maior. 

4. Calcule

Agora você já tem todos os dados que precisa, então é hora de fazer as contas. A fórmula utilizada é simples: 

Preço de venda = Custos variáveis / 1 – (Margem de lucro + despesas variáveis /100) 

Também existem softwares e ferramentas capazes de realizar os cálculos para você. Assim, você só precisa das informações certas em mãos. 

5. Ponto de Equilíbrio

O ponto de equilíbrio, também conhecido como break-even point, faz referência ao volume de atividade operacional em que o total da margem de lucro da quantidade de produtos vendidos se iguala às suas despesas fixas. 

Isso é, quanto você precisa vender para manter as portas da empresa abertas. Todo valor que ultrapassar o ponto de equilíbrio representa lucro para sua loja. Para definir qual é esse valor, a fórmula também é simples: 

Ponto de Equilíbrio = Despesas Fixas / Margem de Lucro

6. Percepção de Valor

Já pensou como um mesmo prato pode custar 2 ou 3 vezes mais, dependendo do restaurante? Isso tem a ver com a percepção de valor: alguns restaurantes são mais bem localizados, têm um Chef famoso ou possuem ambiente mais agradável, por exemplo. 

A proposta de valor é o pacote: isso é, todos os fatores que fazem parte da experiência do cliente e podem, portanto, mudar o preço do produto. 

7. Monitore e adapte

O mercado pode sofrer mudanças devido a inúmeros fatores – de mudanças no cenário político até o lançamento de novas tecnologias e tendências. Por isso, a precificação não é algo que você fará apenas uma vez.

É preciso estar atento às modificações no seu setor, tomar decisões ágeis e entender como se adaptar a diferentes situações. 

Lucre mais com a Acqio

Pensando em como potencializar os lucros? Temos a melhor solução para você!


ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Posts Relacionados